• Av. Indianópolis - 394, Moema - São Paulo-SP
  • oncocenter@oncocentermedicos.com.br
  • Central de Agendamento

    (11) 5052-5995


Quanto antes o câncer for diagnosticado e o tratamento iniciado, maior será a chance de cura. O tipo de tratamento depende do tipo de câncer. As formas de tratamento mais utilizadas são: cirurgia, quimioterapia, radioterapia e transplante de medula óssea.

O que é quimioterapia?
A quimioterapia é um tratamento que utiliza medicamentos específicos para tratar o câncer, geralmente aplicados na veia. Porém, algumas formas de quimioterapia podem ser administradas por via oral (pela boca), via intramuscular e intra-tecal (diretamente no líquido da espinha). A quimioterapia tem a finalidade de atingir e destruir as células do tumor que estão se multiplicando rapidamente, mas como circulam pelo sangue do indivíduo, também irão atingir e podem destruir as células normais, como da medula óssea, do trato gastrintestinal, dos rins além de outros tecidos e órgãos.

A quimioterapia pode ser empregada como tratamento isolado ou combinado com radioterapia, cirurgia ou outro procedimento indicado pelo médico, dependendo do tipo do tumor, sua localização e o estágio da doença.
O tratamento pode ser indicado como terapia exclusiva, adjuvante ou neoadjuvante. A terapia exclusiva é quando o principal tratamento adotado para combater o câncer é o de quimioterapia. Adjuvante, é geralmente o tratamento complementar aplicado após o tratamento primário, como a cirurgia, por exemplo. E neoadjuvante é o que precede a cirurgia, utilizado para diminuir o tumor e a agressividade do procedimento.

Em todos os casos, o tratamento é acompanhado pelo médico oncologista que avalia a eficácia da terapêutica adotada e decide, a partir dos resultados e das reações orgânicas apresentadas em cada paciente, a necessidade de adotar algum ajuste em relação ao tratamento. Além da quimioterapia, existem outros medicamentos utilizados, como antagonistas hormonais, anticorpos monoclonais e algumas modalidades da chamada terapia alvo-dirigida.

Como é feito o tratamento?
A aplicação da quimioterapia é definida pelo médico oncologista e pode ser realizada durante a internação hospitalar ou em ambulatório, em área especialmente preparada para esse fim. O tratamento quimioterápico pode contar com um único medicamento ou com a combinação de vários deles (mistura de drogas e doses), por via intravenosa (na veia ou por cateteres) ou via oral (comprimidos ou cápsulas).

A administração dos medicamentos é realizada por equipe de enfermagem especializada e capacitada.

Quanto tempo demora?

Aplicação
O tempo de aplicação vai depender do tipo de tratamento que o seu médico determinou para você. Pode durar meia hora ou algumas horas. Existem situações em que a pessoa tem que se internar para receber quimioterapias com tempo mais prolongado. A quimioterapia não causa dor. O paciente deve sentir apenas a “picada” da agulha na pele. Algumas vezes, certos remédios podem causar uma sensação de desconforto, queimação na veia ou placas avermelhadas na pele, como urticária. O médico deve ser imediatamente avisado de qualquer reação.

Todo o tratamento
A duração normal do tratamento é planejada de acordo com o tipo de doença e varia de paciente para paciente. Seu médico vai lhe informar qual o número de aplicações (ciclos) que você deverá receber.

É necessário mudar a rotina diária durante o tratamento?
Não. O paciente pode manter as atividades de trabalho normais, devendo comunicar ao médico qualquer reação do tratamento.

Sono: é importante dormir bem e repousar, principalmente após receber a aplicação. Isso porque um corpo descansado responde melhor ao tratamento e ajuda a reduzir os efeitos desagradáveis que ele pode causar.

Outros medicamentos: o paciente deve informar ao médico se possui outro problema de saúde e se toma outros remédios.

Bebidas alcoólicas: são permitidas, desde que ingeridas em pequenas quantidades. É proibido tomar bebidas alcoólicas poucos dias antes ou poucos dias após receber a aplicação da quimioterapia; e quando o paciente estiver tomando antibióticos, tranquilizantes ou remédios para dormir.

Queda dos cabelos: caso ocorra, é importante saber que o cabelo voltará a crescer quando acabar o tratamento ou até mesmo antes. Para contornar esse desconforto, podem ser usados bonés, perucas, lenços etc.

Menstruação: as mulheres que menstruam podem apresentar algumas alterações no ciclo menstrual o fluxo de sangue do período pode aumentar, diminuir ou parar completamente. Se isto acontecer, o médico responsável deve ser comunicado. No entanto, após o término do tratamento, o ciclo menstrual retornará ao normal.

Tratamento dentário: só deve ser feito mediante autorização do médico.

Atividades sexuais: a quimioterapia não interfere nem prejudica as relações sexuais, que podem ser mantidas normalmente. Vale ressaltar que a gravidez deve ser evitada durante o tratamento. Por isso, homens e mulheres devem usar preservativo (camisinha) em todas as relações sexuais, e as mulheres também devem usar pílulas anticoncepcionais se o médico prescrever.

Quais os efeitos colaterais da quimioterapia?
Alguns efeitos indesejáveis podem ocorrer. Saiba o que fazer em cada situação.

Fraqueza: o paciente deve evitar esforço excessivo e aumentar as horas de descanso. Para tanto, pode dividir com alguém as atividades caseiras e combinar um melhor horário de trabalho.

Diarreia: o médico irá receitar medicamentos próprios para combater a diarreia, o que pode ser ajudado com a ingestão de líquidos e de alimentos como arroz, queijo (branco, cottage, ricota), ovos cozidos, purês, banana maçã, (goiaba e maçã sem casca), que ajudam a “segurar” o intestino. O paciente deve se lavar após cada episódio de diarreia e consultar-se com o nutricionista.

Perda de peso: alimentos como milk-shakes, queijo, leites enriquecidos com leite em pó, massas e carnes, ajudam aumentar seu peso, e devem ser ingeridos principalmente nos intervalos entre uma aplicação e outra.

Aumento de peso: neste caso, o paciente deve reduzir a quantidade de alimentos calóricos, reduzir o sal da alimentação e ingerir mais frutas, legumes e verduras.

Feridas na boca: para minimizar esse efeito, deve-se manter a boca sempre limpa, e evitar usar escova de dente com cerdas duras e prótese dentária. O enxague deve ser feito com água filtrada e uma colher de chá de bicarbonato. É indicado ingerir alimentos macios, pastosos, sopas ou sucos e alimentos gelados (sorvetes, gelatinas).

Queda de cabelos e outros pelos do corpo: para contornar essa situação passageira, podem ser utilizadas perucas, lenços e demais acessórios para melhorar o visual.

Enjôo: o paciente deve comer em pequenas quantidades e com mais frequência. Balas à base de hortelã, água mineral gelada com limão, bebidas com gás e sorvetes ajudam a melhorar este tipo de desconforto.

Vômitos: evitar alimentos com muito tempero ou muito gordurosos e bebidas alcoólicas; tomar os remédios para enjôo e vômito que forem receitados pelo médico; comer algo leve antes da aplicação e dormir após.

Tonteiras: o paciente deve vir acompanhado para as sessões da quimioterapia. Após a aplicação, deve descansar, evitando passeios.

Existem cuidados especiais para o paciente em tratamento?

Ao fazer a barba, o paciente deve ter cuidado para não se cortar (se possível, usar barbeador elétrico). Nas mãos, evitar retirar cutículas e cuidado ao cortar as unhas.

Caso sinta ressecamento da pele ou descamação, pode passar hidratante que não contenha álcool (como por exemplo, óleo de amêndoa). Não usar desodorantes que contenham álcool.

Em que situações o paciente em tratamento deve procurar o médico?

 

A cada aplicação de quimioterapia o enfermeiro ou médico devem ser informados sobre tudo o que o paciente sentiu depois que recebeu a Quimioterapia.

 

Fonte: Inca