Unidades: Moema e Bela Vista Central de Agendamento: (11) 5052-5995 (Seg. a Qui. das 8h às 19h | Sex. das 8h às 18h)

Discriminação com colaborador-paciente durante ou após o tratamento

Discriminação com colaborador-paciente durante ou após o tratamento
Autor(a): Clínica Oncocenter
Saiba mais

São muitos os desafios que o paciente com câncer tem que enfrentar no ambiente de trabalho. Dentre eles, a discriminação, a forma como seus líderes e parceiros lidam com o diagnóstico, evitando passar projetos e trabalhos, colocando até mesmo em xeque a sua capacidade de execução. 

Algumas dessas atitudes afetam de maneira direta o colaborador-paciente, que já tem que encarar outros diversos desafios em uma fase que é muito delicada.

Os sentimentos

Neste período cheia de incertezas, é comum que o colaborador passe a se sentir inseguro em relação ao trabalho. Ele ainda não sabe de que maneira a empresa irá proceder quanto às suas novas condições e o tratamento a ser realizado por ele.   

Ao voltar ao trabalho, no pós-tratamento, ele pode se sentir deslocado e pouco ambientado. Isso porque, às vezes, a duração de um tratamento pode durar meses e, muito provavelmente, a configuração da empresa que ele já conhecia pode ter sofrido alterações. Além disso, ele pode não estar mais apto a realizar as tarefas que fazia antes e precisará passar por um processo de readaptação.

Por isso, é fundamental que a empresa entenda seu papel nestes momentos.

Como minimizar estas emoções

O RH da empresa precisa deixar claro que irá fornecer todo o suporte necessário ao colaborador, bem como enfatizar que acredita na sua capacidade de desenvolvimento e readaptação. 

É importante também tomar cuidado para que abordagens com entonação de pena ou sofrimento não causem constrangimento. O ideal mesmo é procurar compreender seus sentimentos, com uma escuta verdadeira e atenta. Assim, poderá saber quais são as suas necessidades.

A empresa deve envolvê-lo nas atividades, para que ele se sinta útil e integrado à equipe. 

Condutas não positivas

O colaborar vai se deparar com pessoas que nunca tiveram contato algum com o câncer. Por isso, a empresa precisa assegurar que ele não vá sofrer com algumas atitudes dentro do ambiente de trabalho. Reunir o time e deixar claro algumas condutas que não são positivas pode ajudar nesse processo. 

Por exemplo, comentários sobre mudanças físicas, quaisquer tipos de comparações, tratar o período de afastamento como uma folga ou falar sobre o câncer sem qualquer embasamento são coisas que não devem ser feitas.

Ou seja, é preciso que a equipe entenda que as pessoas e o ambiente de trabalho são fatores importantes na recuperação e no recomeço da vida de um paciente na empresa.

Afinal, ninguém quer ser definido pelo câncer e sim pelo trabalho que pode desempenhar. 

ONA

Endereços:

Moema:

Av. Indianópolis, 394 – Moema
São Paulo/SP – CEP: 04062-000

Bela Vista:

Rua Dona Adma Jafet, 74 – 3º andar - Bela Vista
São Paulo/SP – CEP: 01308-050

Telefones:

(11) 5052-5995
(11) 98529-1494
(11) 98529-1708

Captação
[contact-form-7 404 "Not Found"]