Unidades: Moema e Bela Vista Central de Agendamento: (11) 5052-5995 (Seg. a Qui. das 8h às 19h | Sex. das 8h às 18h)

Imunoterapia: ativando o corpo do paciente para combater o câncer

Imunoterapia: ativando o corpo do paciente para combater o câncer
Autor(a): Ana Cristina Steinert
Saiba mais

Nos últimos anos, um tipo de tratamento oncológico trouxe grandes avanços para os pacientes com câncer: a imunoterapia.

Mas, afinal, o que é a imunoterapia?

Imunoterapia é um modo de tratamento oncológico, onde utilizamos ferramentas para ativar
o sistema de defesa do paciente para combater as células cancerígenas. O grande avanço da
imunoterapia na atualidade, considerando que pode ser usado em larga escala e já possui
diversas indicações clínicas, é representado por medicamentos da classe farmacológica de
Inibidores de CheckPoint.

Quando surgiu?

A imunoterapia, não é uma modalidade de tratamento nova do câncer, ela já existe há
bastante tempo.

Seu início data do ano 1891, quando William B. Coley, médico americano, após o falecimento
de uma paciente com sarcoma metastático, realizou pesquisa na literatura científica da época,
e notou casos de remissão de câncer em pacientes com erisipela. Inicialmente, ele administrou
bactérias vivas nos pacientes como forma de tratamento e obteve respostas tumorais com
regressão de lesões, no entanto por se tratar de microorganismos vivos, também houve óbitos
por infecção. Ele, então, criou uma mistura de bactéria inativada por calor e pedaços de
bactéria (Streptococcus pyogenes e Bacillus prodigiosus), chamada de Toxina de Coley. Ele usou sua toxina em pacientes com sarcomas inoperáveis de ossos e tecidos moles e outros
tipos de tumores.

No entanto, com o advento da quimioterapia moderna, da radioterapia e aprimoramento das
técnicas cirúrgicas, a toxina de Coley acabou perdendo espaço. Mas, ela impulsionou o estudo
da imunologia e da imuno-oncologia da forma que conhecemos hoje.

Na evolução da imunoterapia no tratamento oncológico, outras medicações usadas ao longo
dos anos são: Interferon, Bacillos de BCG, Interleucina. Mas, esses medicamentos tem uso em
poucas patologias.

O que são os inibidores de CheckPoint?

Com o aprimoramento do conhecimento de como funciona nosso sistema imunológico,
percebeu-se que existem gatilhos que fazem nosso sistema de defesa ser ativado ou
desativado. Um dos gatilhos inibitórios e que colocam as nossas defesas em pausa são
receptores na superfície celular chamados CheckPoint (Pontos de controle). Essas pausas são
necessárias para atacarmos somente o que precisa ser combatido.

Esse é um dos caminhos para os tumores se esconderem do nosso sistema de defesa,
inativando a resposta imune através dos CheckPoint, conseguindo assim, se camuflar dentro
do nosso corpo. Os inibidores de CheckPoint impedem que as nossas células de defesa sejam desligadas e com
isso o sistema imune pode combater o tumor.

A seguir, uma lista dos inibidores de Check-point com registro na Anvisa e as patologias com
indicação de tratamento pela bula da medicação.

 Ipilimumabe – Aprovado pela Anvisa em junho/2012
o Melanoma Metastático ou inoperável
o Câncer de células renais avançado

 Nivolumabe – Aprovado pela Anvisa em abril/2016
o Melanoma Metastático ou inoperável
o Tratamento Adjuvante de Melanoma
o Câncer de Pulmão de Células Não Pequenas
o Carcinoma de Células Renais Avançado
o Linfoma de Hodgkin Clássico
o Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço
o Carcinoma Urotelial

 Pembrolizumabe – Aprovado pela Anvisa em outubro/2016
o Melanoma Metastático ou inoperável
o Tratamento Adjuvante de Melanoma
o Câncer de Pulmão de Células Não Pequenas
o Câncer gástrico
o Carcinoma Urotelial
o Linfoma de Hodgkin Clássico
o Carcinoma de Células Renais Avançado
o Carcinoma de Células Escamosas de Cabeça e Pescoço
o Câncer esofágico

 Avelumabe – Aprovado pela Anvisa em julho/2017 –
o Carcinoma de células de Merkell metastático
o Câncer de células renais avançado

 Atezolizumabe – Aprovado pela Anvisa em outubro/2017
o Câncer de Pulmão de Células Não Pequenas
o Carcinoma Urotelial
o Câncer de Mama triplo negativo
o Câncer de pulmão de pequenas células

 Durvalumabe – Aprovado pela Anvisa em dezembro/2017
o Câncer de Pulmão de Células Não Pequenas
o Carcinoma Urotelial

Como essa lista mostra, os inibidores de check-point possuem inúmeras indicações já
aprovadas pela Anvisa e vem trazendo mais esperança no tratamento de diversos tipos de
câncer. E os estudos clínicos em imuno-oncologia seguem tentando otimizar ainda mais o uso
da imunoterapia, sendo em uso isolado ou em combinação com quimioterapia, fazendo com
que os pacientes tenham mais alternativas na luta contra o câncer.

ONA

Endereços:

Moema:

Av. Indianópolis, 394 – Moema
São Paulo/SP – CEP: 04062-000

Bela Vista:

Rua Dona Adma Jafet, 74 – 3º andar - Bela Vista
São Paulo/SP – CEP: 01308-050

Telefones:

(11) 5052-5995
(11) 98529-1494
(11) 98529-1708

Captação
[contact-form-7 404 "Not Found"]